Selo Casa Azul

Nome da Certificação: Selo Casa Azul
Origem: Brasil
Certificadora: Caixa Econômica Federal
Tipos de empreendimentos: Empreendimentos Residenciais
Como obter o certificado: ​A adesão ao selo é voluntária. O primeiro passo é apresentar o projeto para análise de financiamento da Caixa, juntamente com toda a documentação e informações técnicas que comprovem o preenchimento dos requisites do selo. Após a aprovação, a Caixa informa a graduação do selo alcançada e, no ato da contratação, emite o atestado de concessão do selo. Durante a obra, a Caixa verificará o atendimento aos critérios.
Níveis de certificação: O selo Casa Azul possui 53 critérios de avaliação distribuídos em 6 categorias. Para receber o Selo Casa Azul, o empreendimento deve obedecer a 19 critérios obrigatórios e, de acordo com o número de critérios opcionais atendidos, o projeto ganha o selo nível bronze, prata ou ouro:

Bronze: atende aos 19 itens obrigatórios;
Prata: atende aos 19 itens obrigatórios, mais 6 opcionais;
Ouro: atende aos 19 itens obrigatórios, mais, pelo menos, 12 opcionais.​


As categorias e os critérios do Selo Casa Azul

1 – Qualidade Urbana
1.1 – Qualidade do entorno – infraestrutura Obrigatório
Benefícios socioambientais: Disponibilidade de infraestrutura básica, serviços, equipamentos comunitários e comércio nas proximidades de empreendimentos habitacionais, proporcionando melhor qualidade de vida aos moradores, redução do espalhamento urbano e redução dos impactos ambientais relacionados ao uso de transporte individual.
1.2 – Qualidade do entorno – impactos Obrigatório
Benefícios socioambientais: Ao se estabelecerem distâncias mínimas entre novos empreendimentos habitacionais e fontes emissoras de ruídos, odores e poluição acima de níveis prejudiciais, protege-se e resguarda-se o bem-estar, a saúde e a segurança dos futuros moradores.
1.3 – Melhoria do entorno
Benefícios socioambientais: Implementação de melhorias estéticas, funcionais, paisagísticas e de acessibilidade no entorno do empreendimento, melhorando a qualidade de vida, a autoestima e a identificação pessoal dos moradores, com retorno importante sobre a conservação dos recursos naturais e financeiros aplicados em sua construção.
1.4 – Recuperação de áreas degradadas
Benefícios socioambientais: Devolução de áreas antes em desuso, impossibilitadas de uso ou subutilizadas para o ambiente, para o ciclo econômico e para a dinâmica urbana.
1.5 – Reabilitação de imóveis
Benefícios socioambientais: Contribuir para o desenvolvimento da política nacional de reabilitação urbana, visando à preservação do patrimônio arquitetônico e cultural e à redução do déficit habitacional brasileiro, de modo a recuperar um estoque imobiliário em desuso e garantir condições de habitabilidade para a permanência
das famílias residentes nos centros históricos.
2 – Projeto e Conforto
2.1 – Paisagismo Obrigatório
Benefícios socioambientais:
2.2 – Flexibilidade de projeto
Benefícios socioambientais:
2.3 – Relação com a vizinhança
Benefícios socioambientais:
2.4 – Solução alternativa de trasnporte
Benefícios socioambientais:
2.5 – Local para coleta seletiva Obrigatório
Benefícios socioambientais:
2.6 – Equipamentos de lazer, sociais e esportivos Obrigatório
Benefícios socioambientais:
2.7 – Desempenho térmico – vedações Obrigatório
Benefícios socioambientais:
2.8 – Desempenho térmico – orientação ao sol e ventos Obrigatório
Benefícios socioambientais:
2.9 – Iluminação natural de áreas comuns
Benefícios socioambientais:
2.10 – Ventilação e iluminação naturaL de banheiros
Benefícios socioambientais:
2.11 – Adequação às condições físicas do terreno
Benefícios socioambientais:

Leia mais em http://www.caixa.gov.br/sustentabilidade/produtos-servicos/selo-casa-azul/Paginas/default.aspx

Baixe o Guia da Cerificação Selo Azul em http://www.caixa.gov.br/Downloads/selo_azul/Selo_Casa_Azul.pdf

——————————–
Por Mônica Fischer
Arquiteta e Paisagista
Pós graduada em Construções Sustentáveis
Consultora GBC Brasil®
Técnica em edificações
adm@arquilog.com.br
(21) 99159-7817

Deixe uma resposta