Programa de voluntariado do Parque Nacional da Tijuca

Em 2018 compareci no programa de voluntariado do Parque Nacional da Tijuca, fazendo trabalhos como produção de mudinhas de espécies de plantas nativas da Mata Atlântica, plantio dessas mudas, limpeza de regiões da Mata com retirada de lixo, espécies de plantas exóticas e invasoras.

**************************************************************************

No dia 25 de junho de 2016, eu e meu marido começamos nossos trabalhos voluntários no Parque Nacional da Tijuca.

O grupo de voluntários, ao todo 8 pessoas, começou coletando pequenas mudas de espécies nativas na trilha acessível do parque. Essas mudinhas foram plantadas em saquinhos, e serão novamente plantadas em partes da floresta que não tenham o mesmo potencial de se regenerar como o interior da floresta. Ao todo foram 150 mudas produzidas.

port-PNT-2016-06-25-02
5 dos 8 voluntários presentes no dia.
port-PNT-2016-06-25-01
As 150 mudas produzidas no dia.

Acesse o programa de voluntariado em http://www.parquedatijuca.com.br/#voluntariov2

 

Ação voluntária de plantio de espécies nativas da Mata Atlântica no Parque Nacional da Tijuca

No domingo, 22 de maio de 2016, participei do programa de voluntariado do SOS Mata Atlântica aqui no Rio de Janeiro.

A ação encerrou as comemorações do dia da Mata Atlântica, 27 de maio e consistiu no plantio de mudas nativas no Parque nacional da Floresta da Tijuca e a retirada de espécies exóticas que competem com as árvores nativas e atrapalham o desenvolvimento da floresta.

Ao todo foram 85 voluntários divididos em 10 grupos. Meu grupo plantou 30 mudas nativas entre Ipê amarelo, Paineira Rosa, Palmito Juçara, Ingá Cipó, Guapuruvu, Pau d’alho, Jatobá, Grumixama e Guaritá. Retiramos quase 600 mudinhas de jaqueiras de uma área não maior que 100m2. Cada jaca que cai no chão lança mais de 200 sementes ao redor da jaqueira mãe, e grande parte dessas sementes germina, e por conta de seu vigor, ganha o espaço que seria de uma espécie nativa. O que mais me impressionou nisso tudo foi ouvir de uns dos coordenadores do evento que se ações como essas não forem feitas regularmente, o futuro da floresta da tijuca é se transformar num grande Jaqueiral.

Amei ter feito parte dessa ação!

 

Veja mais em https://www.sosma.org.br/105055/viva-mata-2016-encerra-programacao-com-plantio-de-mudas/

imagem

Expo Jardins do Rio 2

No dia 1º de abril de 2016 conheci o Jardins do Rio, encontro dos produtores de plantas ornamentais de Guaratiba com a cidade do Rio e com os cariocas.

No evento foi possível conhecer a variedade de plantas cultivadas na região e participar de  palestras  e oficinas. Ao todo foram 18 palestras e 11 oficinas.

Destaco as seguintes palestras: PRODUÇÃO DE ESPÉCIES NATIVAS COM POTENCIAL PARA USO EM PAISAGISMO, com Paulo Schiavo, JARDINS TROPICAIS E OS NOVOS PARADIGMAS DE SEU TRAÇADO, com Raul Cânovas, e A VEGETAÇÃO NATIVA EM PROJETOS PAISAGÍSTICOS, com Luiz Cancio.

O evento contou também com visitas guiadas ao sítio Burle Marx, exposição de plantas, exposição de jardins criados com as plantas dos produtores de Guaratiba, entre outros.

O site do evento saiu do ar.

 

Criação de banco de dados de espécies de plantas nativas do Estado do Rio de Janeiro para Paisagismo Sustentável

Uma das estratégias do Paisagismo Sustentável  é o uso de plantas nativas da região em que se está  implantando o projeto. Além de aproveitar a beleza da natureza local, o uso dessas plantas garante a manutenção da biodiversidade da região e proporciona alimentação própria para a fauna local, inclusive para insetos que ajudam no controle das pragas. Essas plantas se adequam mais facilmente ao regime de chuvas da região, diminuindo o consumo de água potável para irrigação.

Outro grande benefício do uso de plantas nativas é o cultural: a adoção  dessas plantas no paisagismo coloca as pessoas em contato com a natureza original da região em que habitam, o que muitas delas desconhecem.

Esse banco faz parte da estratégia de se construir um paisagismo sustentável, onde lista espécies de plantas da flora nativa do estado do Rio de Janeiro, lembrando que o Rio de Janeiro está totalmente inserido no bioma Mata Atlântica.

Continue lendo em Banco em construção.

Consultoria para certificação Referencial GBC Brasil Casa :: Edifício Onda Verde :: Tinguá :: Nova Iguaçu

No fim de 2015, prestei consultoria para o processo de certificação ambiental Referencial GBC Brasil Casa do edifício feito em containers da ONG ambientalista Onda Verde.

Conheça mais sobre a Onda Verde em https://www.facebook.com/entidadeambientalistaondaverde e http://www.ondaverde.org.br/

O edifício é de idealização do Hélio Vanderlei e projeto do escritório Arktektus. Possui 3 tipos de energia renovável: a eólica e a fotovoltáica para produção de energia elétrica e a solar para aquecimento de água.

O paisagismo deu prioridade as espécies de plantas nativas da região e o uso da água da chuva para sua irrigação.

Guapuruvu recém plantado no terreno da Onda Verde
Guapuruvu recém plantado no terreno da Onda Verde

 

O projeto conta também com um biodigestor que trata todo o esgoto da edificação, reaproveitando a água resultante para irrigação do jardim  e o gás produzido pelo processo para alimentar uma luminária (lamparina) externa. Um detalhe importante: as plantas do tanque de raiz do biodigestor, que são responsáveis por retirar os nutrientes da água, são nativas brasileiras.

onda-verde-03
Tanque de raízes do biodigestor da Onda Verde
onda-verde-04
Câmara do biodigestor – 1a fase do tratamento da Onda Verde

 

Além disso o projeto conta com o controle de erosão e poluição da obra durante a construção, uso de materiais ambientalmente preferíveis, controle e gerenciamento de águas pluviais, uso racional da água, entre outras características que darão a primeira certificação Referencial Casa do GBC Brasil no Rio de Janeiro ao edíficio.

O Referencial GBC Brasil Casa foi desenvolvido pelo Comitê Técnico do Green Building Council Brasil formado por profissionais de empresas associadas, professores universitários e gestores públicos convidados, com o intuito de abordar e avaliar diferentes questões de eficiência e sustentabilidade em projetos residenciais.

O Referencial fornece as ferramentas e conhecimento necessário para projetar, construir e operar residências e edifícios residenciais que possuem alto desempenho econômico, social e ambiental.

O Referencial Brasil Casa é dividido em 8 categorias que contemplam a Implantação do edifício, o Uso Raciona da Água, Energia e Atmosfera, Materiais e Recursos, Qualidade Ambiental Interna, Requisitos Sociais, Inovação e Créditos Regionais.

 

TCC MBA :: Aplicacação de critérios do LEED à projetos de interiores

Em julho de 2015, entreguei meu Trabalho de Conclusão do MBA de Construções Sustentáveis, cujo tema foi:

APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE DO LEED A PROJETOS E OBRAS DE REFORMAS DE INTERIORES DE APARTAMENTOS

Segue abaixo o resumo do trabalho:

A reforma de apartamentos em edificações antigas é uma oportunidade valiosa para a implantação de ações que trarão sustentabilidade ao imóvel. A presente pesquisa exploratória analítica descritiva cria um roteiro de estratégias para projetos e obras de reformas de interiores, seguindo os critérios de sustentabilidade da versão 4 do LEED. Inicialmente o trabalho avalia os 175 créditos e pré-requisitos, resultando em 37 aplicáveis a reformas de apartamentos. Desses, 16 são selecionados e estudados e geram 25 estratégias de sustentabilidade. Para criar essas estratégias, são pesquisadas soluções que diminuam o impacto da obra no meio-ambiente e o custo operacional do imóvel. Buscam-se, então, bases na literatura do LEED, nas abordagens e implementações do Guia Rápido do Referencial GBC Brasil Casa, nos programas brasileiros de eficiência energética, nas normas técnicas brasileiras, e também na experiência profissional da autora deste trabalho. Como resultado, propõe-se atingir um alto nível de desempenho construtivo e humano através da estratégia da categoria Projeto Integrado; controlar a emissão de poluição ambiental e luminosa e diminuir a intervenção no bioma local através das estratégias propostas na categoria Espaços Sustentáveis; reduzir o consumo de energia elétrica, de água e de gás, capacitar os moradores e proprietários a manter o desempenho esperado do imóvel, buscar equipamentos e a distribuição de água quente eficientes, obter a eficiência energética dos equipamentos eletroeletrônicos e diminuir o consumo de energia da iluminação, através das estratégias da categoria Energia e Atmosfera; reduzir o consumo de água do imóvel através das estratégias propostas na categoria Uso Eficiente da Água; minimizar o consumo de recursos naturais através das estratégias propostas na categoria Materiais e Recursos; reduzir a poluição do ar interno do imóvel através das estratégias da categoria Qualidade Ambiental Interna e adotar novas abordagens para contribuir com a prática sustentável da Arquitetura de Interiores através da estratégia proposta na categoria Inovação. Os profissionais da construção civil ainda têm muito a aprender e experimentar sobre a sustentabilidade dentro de suas áreas de atuação, e devem sempre buscar novas tecnologias que os ajudem a incorporar esses conceitos em seus projetos e obras. Essas são atitudes importantes para a preservação dos recursos do nosso planeta para as futuras gerações.

Palavras-chave: Sustentabilidade. LEED. Arquitetura. Interiores. Reformas.

MBA em Construções Sustentáveis

Em 24 de abril de 2015, tive minha última aula no MBA em Construções Sustentáveis – Certificação Ambiental de Edificações  e em 24 de julho entreguei meu Trabalho de Conclusão do curso com o tema: APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE DO LEED A PROJETOS E OBRAS DE REFORMAS DE INTERIORES DE APARTAMENTOS.
Carga horária: 400h

Justificativa do Curso

Capacitar os participantes em Construção Sustentável oferecendo
conhecimentos que permitam aos participantes realizarem projetos e obras de empreendimentos sustentáveis, bem como se tornarem consultores em Construção Sustentável e Certificação Ambiental de Edificações. O curso apresenta as melhores metodologias e tecnologias que habilitem o participante a projetar, gerenciar, avaliar, e operar edificações sustentáveis, alinhadas aos princípios de eficiência energética e elevado desempenho ambiental a fim de
tornar a Construção Civil , uma ferramenta harmonizada com a sustentabilidade do planeta.

Objetivo Geral

Os estudos são focados na complementação da formação de nossos profissionais, Engenheiros, Arquitetos e Gestores,
adquirindo habilidades necessárias a avaliar e aperfeiçoar o desempenho energético e a performance Sócio-Ambiental
da Construção Civil.

Disciplinas
MÓDULO 1 – INTRODUÇÃO À CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL – 140h
Introdução à Construção Sustentável e Certificações Ambientais I: LEED, AQUA, Selo Azul, PBE Edifica  20h
Introdução à Construção Sustentável e Certificações Ambientais II: BREEAM, Living Building, DGNB 20h
Ecodesing, Permacultura, Bio-construção e Ecovilas / Comunidades Sustentáveis 20h
Paisagismo Sustentável: Estratégias de Integração e Edifícios e Cidades Sustentáveis 20h
Análise do Ciclo de Vida e Critérios Ambientais de Avaliação de Produtos para a Construção Sustentável 20h
Aplicação de Sistemas de Certificações Ambientais – LEED BD+C 20h
Aplicação Sistemas de Certificações Ambientais – AQUA HQE Habitacional 20h
MÓDULO 2 – TECNOLOGIAS E SISTEMAS PARA A CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL – 140h
Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edifícios II – Aplicação Procel Edifica / Simulações de Desempenho Energético de Edificações 20h
Energias Renováveis: Usos e Aplicações para a Construção Sustentável 20h
Controle e Monitoramento da Qualidade Ambiental Interna do Ar – Contaminantes e COV’S 20h
Utilização Eficiente de Recursos Hídricos e o Reuso da Água em Edificação Sustentáveis 20h
Tecnologias e Materiais a serem Utilizados em Edificações Sustentáveis 20h
Como se tornar um LEED GA / LEED AP 20h
MÓDULO 3 – GESTÃO E OPERAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS SUSTENTÁVEIS – 120h
Estudos de Viabilidade Financeira para Empreendimentos Sustentáveis 20h
Gestão Integrada de Projetos Sustentáveis 20h
Gestão Ambiental de Canteiros de Obras, Resíduos e Reciclagem em Edificações Sustentáveis 20h
Comissionamento e Gestão de Operações em Empreendimentos Sustentáveis 20h
Metodologia Científica Aplicada 20h
Estudos de Casos / Visitas Técnicas / Seminário de Apresentação do Pré-Projeto de Monografias 20h

https://www.inbec.com.br/pos-graduacao/mba-em-construcoes-sustenta-veis-certificacao-ambiental-de-edificacoes

Curso Referencial GBC Brasil Casa®

Em junho de 2015, fiz o curso Referencial GBC Brasil Casa® em São Paulo :: carga horária: 16 horas.

Os objetivos do curso eram:

– Capacitar e qualificar o profissional por meio da retomada de conceitos de arquitetura sustentável, facilmente aplicada a projetos e obras residenciais.

– Familiarizar o profissional com os conceitos básicos da Certificação Referencial GBC Brasil Casa®, para que ele esteja apto a desenvolver casas com melhor desempenho energético, com consumos mais eficientes, mais confortáveis termicamente, que possuam ambientes internos mais saudáveis, que reduzem o impacto no meio ambiente utilizando menos recursos naturais e evite o desperdício de materiais não reutilizados, acabar com a ineficiência de sistemas obsoletos e melhorar o planejamento das construções de forma a reduzir a perda financeira de obras comuns.

– Prover ao profissional os conceitos de gestão integrada que visam à consultoria de projetos sustentáveis.

– Prover ao profissional o conteúdo básico para realização da prova de qualificação, oferecendo direcionamento aos estudos, dicas para o dia do exame e um pequeno simulado.

http://www.gbcbrasil.org.br/detalhe-curso.php?idCurso=79

Curso Paisagismo Sustentável e Técnicas Construtivas para Telhados e Paredes Verdes

Nos dias 21 e 22 de maio de 2015, fiz o curso Paisagismo Sustentável e Técnicas Construtivas para Telhados e Paredes Verdes em São Paulo com o Ricardo Cardim :: carga horária: 16 horas.

O objetivo do curso foram apresentar conceitos e propostas para um paisagismo sustentável no Brasil, abordando a discussão sobre biodiversidade, biomas, espécies nativas, adaptadas, invasoras, consumo de água e serviços ambientais; preparar o aluno com conhecimentos de botânica, historia, técnicas construtivas e tecnologias para áreas verdes, dentre elas telhados e paredes verdes; capacitar o entendimento e a importância das áreas verdes no Green Building dentro da realidade brasileira de país megabiodiverso e seus resultados na melhora da qualidade de vida urbana e reequilíbrio ambiental.

http://www.gbcbrasil.org.br/detalhe-curso.php?idCurso=73

Curso Vegetação nativa em projetos urbanos

Em 30 de novembro de 2013, estive presente no curso A Vegetação Nativa em Projetos Paisagísticos, realizado pelo Núcleo Rio de Janeiro da ABAP com o apoio do CAU/RJ.

O objetivo do curso foi complementar a formação de arquitetos e urbanistas, assim como de outros profissionais de campos afins. Discutiu-se a utilização da vegetação em projetos paisagísticos, apresentando conceitos e abordagens relativas à composição; análise de aspectos formais, estruturais e ecológicos; identificação de propriedades, condicionantes e potenciais de uso dos diferentes estratos vegetais; indicação de técnicas e aplicações práticas.

O curso, organizado por Marcia Nogueira Batista, Vera Regina Tângari, Mônica Bahia Schlee e Andrea Queiroz Rego (ABAP), com o apoio de Sydnei Menezes e Christine Eksterman (CAU/RJ), contou com professores com vasta experiência em projeto e em pesquisa, de diferentes formações acadêmicas como Rita Montezuma, Pierre-Andre Martin, Eduardo Barra, Ivete Farah, Luiz Câncio, Cecília Petagna e Flavia Braga.

Em 2013.