CURSO Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios (PEUC) e IPTU Progressivo no Tempo

Curso a distância de autoinstrução – Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios (PEUC) e IPTU progressivo no Tempo – Turma 5/2018

Esse é um curso sobre o Estatuto da Cidade que fiz no Portal Capacidades do Ministério das Cidades.

Carga horária: 30 horas

Data: 26/11/2018 à 12/12/2018

Objetivos:

Fornecer diretrizes e recomendações para a regulamentação e a implementação do Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios (PEUC) e IPTU progressivo no tempo.

Ao final do curso o participante será capaz de:

– Compreender o conceito, os antecedentes e os marcos legais do PEUC e IPTU progressivo no tempo;

– Compreender os elementos e os procedimentos básico para utilização dos instrumentos Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios (PEUC) e IPTU progressivo no tempo, sob a ótica da regulamentação e da implementação.

CURSO Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)

Curso a distância de autoinstrução sobre Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU – Turma 4/2018

Esse é um curso sobre o Estatuto da Cidade que fiz no Portal Capacidades do Ministério das Cidades.

Carga horária: 30 horas

Data: 05/11/2018 a 26/11/2018

Objetivos:

Fornecer diretrizes e recomendações para a regulamentação e a implementação do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU.

Ao final do curso o participante será capaz de:

– Compreender o conceito, os antecedentes e os marcos legais do IPTU;

– Compreender os elementos e os procedimentos básico para utilização do instrumento IPTU, sob a ótica da regulamentação e da implementação;

– Compreender os desafios e conflitos na gestão do IPTU.





CURSO Estudo de Impacto de vizinhança (EIV)

Curso a distância de autoinstrução sobre Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV – Turma 5/2018

Esse é um curso sobre o Estatuto da Cidade que fiz no Portal Capacidades do Ministério das Cidades.

Carga horária: 30 horas

Data: 29/10/2018 a 19/11/2018

Objetivos:

Fornecer diretrizes e recomendações para o estudo de impacto de vizinhança com o objetivo principal de promover uma melhor distribuição de benefícios e ônus do processo de urbanização à luz do Estatuto da Cidade, Lei Federal nº 10.257/01.

CURSO Transferência do Direito de Construir (TDC)

Curso a distância de autoinstrução Transferência do Direito de Construir (TDC) – Turma 1/2018

Esse é um curso sobre o Estatuto da Cidade que fiz no Portal Capacidades do Ministério das Cidades.

Carga horária: 30 horas

Data: 01/10/2018 à 22/10/2018

Objetivos:

A Transferência do Direito de Construir (TDC), definida no Estatuto da Cidade, é um instrumento que permite ao proprietário de um determinado terreno urbano exercer em outro local, ou alienar para este fim, o direito básico de construir quando esse direito não puder ser exercido, no todo ou em parte, no terreno de origem em virtude do interesse público. O presente curso a distância de autoinstrução tem por objetivo apresentar as bases conceituais desse instrumento, o alcance de sua aplicação, seus limites e desafios, servindo como subsídio à sua regulamentação e implementação pelos municípios brasileiros.

Artigo: Contribuições das Certificações Ambientais à Agenda 2030

Em setembro de 2018, adaptei o artigo científico que escrevi para a Revista Internacional de Ciências da UERJ para publicação no site do GBC Brasil.

As conferências da ONU sobre as questões ambientais, produziram durante as últimas décadas, documentos importantes com orientações e recomendações a serem seguidas pelas organizações dos países-membros, em todas as áreas onde os impactos humanos prejudicam o meio ambiente. Documentos como Nosso futuro comum (1987), Agenda 21 (1992), Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (2002) e O futuro que queremos (2012) apresentavam uma agenda global de mudanças para o desenvolvimento sustentável, como uma forma de diminuir a destruição de recursos naturais insubstituíveis e a poluição do planeta.

Mais recentemente, em 2015, o Fórum Político de Alto Nível sobre desenvolvimento Sustentável da ONU elaborou o documento Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável.

No artigo, que pode ser lido aqui, exploro o quanto as certificações ambientais de edificações, podem contribuir com os objetivos da agenda.

Programa de voluntariado do Parque Nacional da Tijuca

Em 2018 compareci no programa de voluntariado do Parque Nacional da Tijuca, fazendo trabalhos como produção de mudinhas de espécies de plantas nativas da Mata Atlântica, plantio dessas mudas, limpeza de regiões da Mata com retirada de lixo, espécies de plantas exóticas e invasoras.

**************************************************************************

No dia 25 de junho de 2016, eu e meu marido começamos nossos trabalhos voluntários no Parque Nacional da Tijuca.

O grupo de voluntários, ao todo 8 pessoas, começou coletando pequenas mudas de espécies nativas na trilha acessível do parque. Essas mudinhas foram plantadas em saquinhos, e serão novamente plantadas em partes da floresta que não tenham o mesmo potencial de se regenerar como o interior da floresta. Ao todo foram 150 mudas produzidas.

port-PNT-2016-06-25-02
5 dos 8 voluntários presentes no dia.

port-PNT-2016-06-25-01
As 150 mudas produzidas no dia.

Acesse o programa de voluntariado em http://www.parquedatijuca.com.br/#voluntariov2

 

Criação de banco de dados de espécies de plantas nativas do Estado do Rio de Janeiro para Paisagismo Sustentável

Uma das estratégias do Paisagismo Sustentável  é o uso de plantas nativas da região em que se está  implantando o projeto. Além de aproveitar a beleza da natureza local, o uso dessas plantas garante a manutenção da biodiversidade da região e proporciona alimentação própria para a fauna local, inclusive para insetos que ajudam no controle das pragas. Essas plantas se adequam mais facilmente ao regime de chuvas da região, diminuindo o consumo de água potável para irrigação.

Outro grande benefício do uso de plantas nativas é o cultural: a adoção  dessas plantas no paisagismo coloca as pessoas em contato com a natureza original da região em que habitam, o que muitas delas desconhecem.

Esse banco faz parte da estratégia de se construir um paisagismo sustentável, onde lista espécies de plantas da flora nativa do estado do Rio de Janeiro, lembrando que o Rio de Janeiro está totalmente inserido no bioma Mata Atlântica.

Continue lendo em Banco em construção.

Arquilog

Em 12 de março de 2012 nasceu o Arquilog, um blog onde eu falava  sobre arquitetura, livros, AutoCAD, cores, natureza e sustentabilidade. Naquela época eu postava gratuitamente os blocos dinâmicos criados por mim. Com o tempo isso foi se tornando o ponto forte do blog.

Hoje, além dos artigos sobre AutoCAD, Arquitetura, Sustentabilidade e Paisagismo, o blog tem uma loja de bloco dinâmicos, templates e outros produtos que agilizam o projeto de arquitetura no AutoCAD.