Refletância

Cor Refletância [%]
Branco teórico 100
Branco de cal 80
Amarelo 70
Amarelo limão 65
Verde limão 60
Amarelo ouro 60
Rosa 60
Laranja 50
Azul claro 50
Azul celeste 30
Cinza neutro 30
Verde oliva 25
Vermelho 20
Azul turquesa 15
Púrpura 10
Violeta 05
Preto 03
Preto teórico 00

fonte: http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/140.pdf

Abertura

De acordo com o manual de aplicação do PBE Edifica, é considerada abertura toda e qualquer parte da fachada que seja aberta ou que possua material transparente ou translúcido, permitindo a passagem de luz, ventilação e/ou radiação solar direta ou indireta para o interior da edificação. Suas arestas podem estar em contato com materiais opacos ou também transparentes ou translúcidos. Sacadas e varandas não são consideradas aberturas. Um vão totalmente fechado com um material opaco, sem a presença de parcela aberta ou material transparente ou translúcido, também não é considerado abertura. Além disso, portas de acesso não envidraçadas de residências não são aberturas. Elas devem ser consideradas como parede para o cálculo da transmitância e deve-se ponderar sua cor no cálculo da absortância.

Exemplos:

É ABERTURA:  Janelas; Cobogós; Paredes envidraçadas; Paredes de tijolo de vidro; Vãos fechados com placas de policarbonato ou acrílico; Janelas fechadas com vidro e com venezianas.

NÃO É ABERTURA: Átrio descoberto; Pórticos; Varandas; Sacadas; Vãos fechados com material opaco.

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Essa política procura organizar a forma como o país trata o lixo, incentivando a reciclagem e a sustentabilidade. Com a aprovação da política, foi elaborado o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, cujo texto passou por um processo de consulta pública, recebendo sugestões de todos os setores envolvidos. A última audiência, em Brasília, definiu o texto final que entrará em vigor em 2014.

São três os principais pontos da política:
– fechamento de lixões até 2014: até 2014 não devem mais existir lixões a céu aberto no Brasil. No lugar deles, devem ser criados aterros controlados ou aterros sanitários. Os aterros têm preparo no solo para evitar a contaminação de lençol freático, captam o chorume que resulta da degradação do lixo e contam com a queima do metano para gerar energia;

– só rejeitos poderão ser encaminhados aos aterros sanitários: Os rejeitos são aquela parte do lixo que não tem como ser reciclado. Apenas 10% dos resíduos sólidos são rejeitos. A maioria é orgânica, que em compostagens pode ser reaproveitada e transformada em adubo, e reciclável, que deve ser devidamente separada para a coleta seletiva;

– elaboração de planos de resíduos sólidos nos municípios: os planos municipais serão elaborados para ajudar prefeitos e cidadãos a descartar de forma correta o lixo. Outro importante avanço da política é a chamada “logística reversa”. Na prática, a logística reversa diz que uma vez descartadas as embalagens são de responsabilidade dos fabricantes, que devem criar um sistema para reciclar o produto. Por exemplo, uma empresa de refrigerante terá que criar um sistema para recolher as garrafas e latas de alumínio e destiná-las para a reciclagem. No Brasil se pensou uma forma de integrar os catadores e as cooperativas no  plano, buscando recolocação profissional.

Leia completo em: http://www.revistagreenbuilding.com.br/noticias_interna.php?id=389

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm






Resíduo de Demolição e Construção

São os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil,e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos
cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica etc., comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha. (Definição retirada do projeto de lei complementar nº 31/2013)

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat – PBQP-H  – é um instrumento do Governo Federal para cumprimento dos compromissos firmados pelo Brasil quando da assinatura da Carta de Istambul (Conferência do Habitat II/1996). A sua meta é organizar o setor da construção civil em torno de duas questões principais: a melhoria da qualidade do habitat e a modernização produtiva. A busca por esses objetivos envolve um conjunto de ações, entre as quais se destacam: avaliação da conformidade de empresas de serviços e obras, melhoria da qualidade de materiais, formação e requalificação de mão-de-obra, normalização técnica, capacitação de laboratórios, avaliação de tecnologias inovadoras, informação ao consumidor e promoção da comunicação entre os setores envolvidos. Dessa forma, espera-se o aumento da competitividade no setor, a melhoria da qualidade de produtos e serviços, a redução de custos e a otimização do uso dos recursos públicos. O objetivo, a longo prazo, é criar um ambiente de isonomia competitiva, que propicie soluções mais baratas e de melhor qualidade para a redução do déficit habitacional no país, atendendo, em especial, a produção habitacional de interesse social.

Em http://www.pbqp-h.com.br/Default.aspx

ISO 9000

Gestão da qualidade: A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem requisitos, orientações e outros documentos de suporte fornecendo um conjunto de ferramentas para gestão de organizações com a melhoria dos processos internos, a maior capacitação dos colaboradores, o monitoramento do ambiente de trabalho, a verificação da satisfação dos clientes, colaboradores e fornecedores, num processo contínuo de melhoria do sistema de gestão da qualidade. Aplicam-se a campos tão distintos quanto materiais, produtos, processos e serviços e em qualquer que seja o tipo ou dimensão da empresa.

Deve-se enfatizar que as normas ISO série 9000 dizem respeito apenas ao sistema de gestão da qualidade de uma empresa e não às especificações dos produtos fabricados por ela, não necessariamente significando que esse produto terá maior ou menor qualidade que um produto similar fabricado por uma empresa sem a certificação. Significa que todos os produtos fabricados por esse processo terão as mesmas características e o mesmo padrão de qualidade. Entretanto as empresas que adotam a certificação tem maior credibilidade junto a outras empresas e aos seus clientes, demonstrando que administra com qualidade e portanto garante a qualidade aos seus produtos e serviços.

Há no mundo, segundo levantamento feito em 2006 mais de 1 milhão de organizações certificadas de acordo com as normas ISO 9001:2000. Os processos organizacionais necessitam ser verificados através de auditorias externas independentes. Uma organização deve seguir alguns passos e atender a alguns requisitos para serem certificadas. Dentre esses podem-se citar: Padronização de todos os processos-chave da organização, processos que afetam o produto e conseqüentemente o cliente; Monitoramento e medição dos processos de fabricação para assegurar a qualidade do produto/serviço, através de indicadores de performance e desvios; Implementar e manter os registros adequados e necessários para garantir a rastreabilidade do processo; Inspeção de qualidade e meios apropriados de ações corretivas quando necessário; e Revisão sistemática dos processos e do sistema da qualidade para garantir sua eficácia.

No Brasil, a família de normas NBR ISO 9000:1994 (9001, 9002 e 9003) foi cancelada e substituída pela série de normas ABNT NBR ISO 9000:2000, que é composta de três normas: ABNT NBR ISO 9000:2005: Descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e estabelece a terminologia para estes sistemas.
ABNT NBR ISO 9001:2008: Especifica requisitos para um Sistema de Gestão da Qualidade, onde uma organização precisa demonstrar sua capacidade para fornecer produtos que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos regulamentares aplicáveis, e objetiva aumentar a satisfação do cliente.
ABNT NBR ISO 9004:2010: Fornece diretrizes que consideram tanto a eficácia como a eficiência do sistema de gestão da qualidade. O objetivo desta norma é melhorar o desempenho da organização e a satisfação dos clientes e das outras partes interessadas. Não existe certificação para as normas ABNT NBR ISO 9000:2000 e ABNT NBR ISO 9004:2010.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Organização-Internacional-para-Padronização
http://pt.wikipedia.org/wiki/ISO-9000
http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=90762
http://www.iso.org/iso/home/standards/management-standards/iso-9000.htm
http://max.uma.pt/~a2137306/trabalhos/tutorial-sobre-iso-9000.pdf

ISO 7730

É a norma internacional para averiguar o conforto térmico nos ambientes. Apresenta métodos para prever a sensação térmica e grau de desconforto (insatisfação térmica) de pessoas expostas a ambientes térmicos moderados. Ela permite a determinação analítica e interpretação do conforto térmico utilizando o cálculo de PMV (voto médio predito) e PPD (percentagem de pessoas insatisfeitas) e conforto térmico local, dando as condições ambientais considerados aceitáveis para o conforto térmico em geral, bem como aquelas que representam desconforto local. http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=24099 http://ntm.ru/UserFiles/File/document/Microklimat/Norm/ISO_7730_2005.pdf